Google Website Translator Gadget

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A mulher adúltera - João (8, 1 – 11)







"Porque a Lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo". João (1, 17)





Certa vez conversando com um grande amigo, Pe. Humberto Jair Dinato, e o assunto era esta passagem, me lembro dele dizendo: “Aquela mulher não cometeu adultério sozinha, se foi um flagrante de adultério, cadê o homem?” E foi a primeira vez que percebi o quanto aquele povo havia distorcido a lei e hoje também percebo o quanto se faz necessário um verdadeiro discernimento.
A duas semanas atrás fui convidado para ir a festa de aniversário do sogro de uma prima, ele estava fazendo 81 anos. Lá encontrei alguns parentes e entre eles o cunhado desta minha prima que é protestante da linha neo-pentecostal e ele dizia: “Todos os assassinos deveriam ser transportados além das duzentas milhas marítimas brasileiras e jogados no mar, apenas com a indicação de que lado fica o continente, quem conseguir voltar está livre.” Então eu o questionei, dizendo: “Você é cristão, esta seria a resposta de Jesus?” E a resposta dele foi: “Deus mandou matar, quando instruiu Moisés a matar os adoradores do bezerro de ouro.” – referindo-se a Êxodo (32, 25 – 29) e a mim que sou católico -   E voltei a questionar dizendo: “Você ainda não respondeu a minha pergunta. Está é a resposta que Jesus daria?” E fiquei sem obter resposta, mas era uma pergunta retórica mesmo, todo aquele que se diz cristão sabe qual é a resposta para esta pergunta.
Acredito que, de vez em quando em nossas vidas, nos deparamos com estas questões e sendo assim resolvi fazer uma pesquisa sobre este assunto, me deparei com um monte de passagens e selecionei algumas, e acho que servirá para lançar uma luz sobre estes assuntos.

A mulher adúltera - João (8, 1 – 11) - E cada um voltou para sua casa.
Jesus foi para o monte das Oliveiras.
Antes do nascer do sol, já se achava outra vez no Templo. Todo o povo vinha a ele e, sentado-se, os ensinava. Os escribas e os fariseus trazem, então uma mulher surpreendida em adultério e, colocando-a no meio, dizem-lhe: Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante delito de adultério. Na Lei, Moisés nos ordena apedrejar tais mulheres. Tu, pois, que dizes? Eles assim diziam para pô-lo à prova, a fim de terem matéria para acusá-lo. Mas Jesus, inclinando-se escrevia no chão com o dedo. Como persistissem em interrogá-lo, ergue-se e lhes disse: “Quem dentre vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra!” Inclinando-se de novo, escrevia no chão. Eles, porém, ouvindo isso, saíram um após outro, a começar pelos mais velhos. Ele ficou sozinho e a mulher permanecia lá, no meio. Então erguendo-se, Jesus lhe disse: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” Disse ela: “Ninguém, Senhor”. Disse, então, Jesus: “Nem eu te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais”.

Antes de qualquer coisa temos que olhar um pouco o evangelista João, a João pertence a comunidade mais amadurecida, e para endossar esta afirmação basta ver o seu prólogo: No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Tudo foi feito por meio dele e sem ele nada foi feito. Então este evangelista afirma que Jesus participa da Criação e de tudo mais. Ora a Lei também é Verbo, então não seria errado afirmar que: Jesus também participa dos sinais no Êxodo e também com o povo no deserto, inclusive.
Na passagem da mulher adultera João descreve um gesto de Jesus que é tido como obscuro pelos exegetas (nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém, “O significado deste gesto permanece obscuro.”), fiquei intrigado com isso e conseqüentemente, mais interessado ainda. A primeira pista é que, esta passagem trata Moisés e a Lei, então, procurei no antigo testamento, Êxodo e Deuteronômio. Então encontrei a resposta em Êxodo (31, 18) Quando ele terminou de falar com Moisés no monte Sinai, entregou-lhe as duas tábuas do Testemunho, tábuas de pedra escritas pelo dedo de Deus.” E para mim, tudo ficou mais claro. A diferença entre Moisés e Jesus é que: Moisés é um coadjuvante, ele transmite o que Deus manda para o povo; e Jesus tem a autoridade em si mesmo, Ele é a autoridade.
No Antigo Testamento os Sacerdotes eram os Levitas (Aarão), uma das suas atribuições era auxiliar os julgamentos nas causas controversas e difíceis (Deuteronômio 17, 8 – 10) – "Quando tiveres que julgar uma causa que te pareça demasiado difícil... levantar-te-ás e subirás ao lugar que Iahweh teu Deus houver escolhido. Irás então até aos sacerdotes levitas e ao juiz que estiver em função naqueles dias. Eles investigarão e te anunciarão a sentença. Agirás em conformidade com a palavra que eles te anunciarem deste lugar que Iahweh houver escolhido. Cuidaras de agir conforme todas as suas instruções”. Na situação da adultera ela é levada ao templo, que é o lugar de Iahweh onde estava Jesus que é o Juiz, Sacerdote definitivo, e também é quem escreveu a Lei com os próprios dedos, em resumo a suma autoridade.
Na Lei o direito de atirar a primeira pedra era da testemunha, ou do lado prejudicado. Os anciãos, que eram homens mais vividos, incumbiam-se de transmitir e julgar os casos dentro da comunidade, e esta afirmação está vastamente distribuída pelo Velho Testamento, estes anciãos estavam entre aqueles que queriam incriminar Jesus, eram os escribas e os fariseus, eles eram quem deveriam transmitir a lei aos mais jovens, no entanto alguns adulteravam a lei.
Jesus não julga a mulher, porque nesta situação todos eram adúlteros, os mais velhos e depois os mais novos. Naquele tempo haviam mais de seiscentos pecados na lista dos fariseus (+- 625). Tudo foi adulterado, todos eram adúlteros, e ao meu ver, inclusive este meu primo, ou quem ensinou a ele, quando afirma que Deus mandou matar os adoradores do “bezerro de ouro” e  acredito nisso porque nas escrituras Moisés já havia aplacado a ira de Deus contra os adoradores: (Êxodo 32, 14) Iahweh, então, desistiu do castigo com o qual havia ameaçado o povo., e em (32, 27) Ele(Moisés) lhes disse: ‘Assim fala Iahweh, o Deus de Israel: Cingi, cada um de vós, a espada sobre o lado, passai e tornai a passar pelo acampamento, de porta em porta, e matai, cada qual, a seu irmão, a seu amigo, a seu parente.’”  Aqui cada qual forme a sua opinião! A minha é que Deus não voltou atrás e acredito que, foi a ira do próprio Moisés quem mandou matar os que não estavam mais do seu lado. Outro exemplo é o de Pedro, quando puxa uma espada que estava em sua cintura e decepa a orelha direita de um soldado e a resposta de Jesus a isso nós já sabemos. João (18, 10s), Mateus (26, 51s), Marcos (14, 47s) e Lucas (22, 51s).
Quanto ao momento entre aquela mulher e Jesus, não houve condenação mas, somente Justiça, justiça que não vem dos homens e sim de Deus. O mesmo Deus que nos escreve com os seus divinos dedos os seus mandamentos e entre eles está o maior: “amai-vos uns aos outros” Levítico (19, 18), Mateus (19, 19), Marcos (12, 31), Lucas (10, 27), Romanos (13, 9), Gálatas (5, 14) e Tiago (2, 8).
Você inda quer saber o que Jesus estava escrevendo? Que tal: "amai-vos uns aos outros".

Quadro: Carlos Araujo - "Jesus perdoa a adultera" Bíblia - Citações"