Google Website Translator Gadget

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O Casamento de Oséias e seu valor simbólico 1-2, 1-45



“Porque é amor que eu quero e não sacrifício, conhecimento de Deus mais do que holocaustos.” Oséias (6, 6).

Um dos meus profetas favoritos, homem de palavras duras e direcionadas às diversas formas de opressão, política, social e religiosas. No papel de um verdadeiro profeta, Oséias criticou e mostrou o futuro dos transgressores corruptos e escravagistas de seu tempo.
Dono de uma literatura com aparente desordem, houveram tentativas de ordená-los mas,  sem sucesso, mesmo assim o valor de seu conteúdo permanece vivo e latente em nossa realidade até os dias de hoje. Por causa desta aparente desordem, a fim de não antecipar o desfeche, e acredito que assim nossa reflexão será mais frutífera, deliberadamente alterei a ordem do capitulo (2, 1 – 3) e o coloquei , sem alterar o seu conteúdo, depois do versículo 25.
Poucos falaram do amor de Deus pela humanidade como este profeta, por isso quando o assunto é este amor, a minha fonte predileta, no Antigo Testamento é este profeta que, não trata o adultério com a pena de apedrejamento até a morte, ele trata esta questão com a Misericórdia que somente pode brotar do Amor de Deus pela humanidade.
Na introdução de seu livro, Oséias se utilizando de uma criativa simbologia que se desenrola entre o relacionamento marido e uma infiel esposa, este profeta de uma forma magistral nos apresenta a grandeza da misericórdia e também a pedagogia divina, mostrando que, por mais que “pisemos na bola” nossos caminhos nos levaram de volta aos braços abertos de nosso amado Deus.
Este profeta deveria ser a inspiração para os ecologistas de plantão, aqui se encontra um resgate, amplo e geral da humanidade com a natureza. Entre as profecias diversas de Oséias estão algumas do tipo, não serem mais necessárias as armas e consequentemente as guerras, e o resgate entre a humanidade e a natureza será eterno e completo.
Para não alongar muito o texto, vou citar algumas partes de sua introdução, que acredito não iram afetar o seu conteúdo. Para os que preferirem eu recomendo a leitura deste sagrado livro na integra.

Casamento de Oséias e seu valor simbólico.

Casamento e filhos de Oséias (1, 2 – 5).
Começo das palavras do Senhor por intermédio de Oséias. Disse o Senhor Deus a Oséias: “Vai, toma para ti uma mulher que se entrega à prostituição e filhos da prostituição, porque a terra se prostituiu constantemente, afastando-se de Deus”.
Ele foi e tomou Gômer, filha de Deblaim, que concebeu e lhe gerou um filho. E o Senhor lhe disse: “Dá-lhe o nome de Jezrael (Jizreel), porque ainda um pouco de tempo e eu castigarei a casa de Jeú pelo sangue de Jezrael e destruirei o reinado da casa de Israel. E acontecerá, naquele dia: eu quebrarei o arco de Israel no vale de Jezrael”.

 (1, 6 – 9)
Ela concebeu novamente e deu à luz uma menina. O Senhor lhe disse: “Dá-lhe o nome de Lo-Ruhamah (Lo-Ruama), porque doravante não mais terei piedade da casa de Israel, para ainda lhe perdoar. Mas terei piedade da casa de Judá e os salvarei pelo Senhor, seu Deus. Não os salvarei nem pelo arco, nem pela espada, nem pela guerra, nem pelos cavalos, nem pelos cavaleiros.
Ela deixou de amamentar Lo-Ruhamah, depois engravidou e deu a luz um filho. O Senhor  disse: “Dá-lhe o nome de Lo-Ammi (Lo-Ami), porque não sois o meu povo, e eu não existo para vós”.

Deus e sua esposa infiel (2, 4 – 25).
Processai vossa mãe, processai.
Porque ela não é minha esposa, e eu não sou seu esposo.
Que ela afaste do seu rosto as suas prostituições e de entre os seios seus adultérios.
Senão eu a despirei completamente, deixá-la-ei como no dia de seu nascimento, torná-la-ei  semelhante a um deserto, transformá-la-ei numa terra seca, fá-la-ei morrer de sede.
Não amarei seus filhos, porque são filhos da prostituição.
Sim, sua mãe se prostituiu, cobriu-se de vergonha aquela que os concebeu, quando dizia: Quero correr atrás de meus amantes, daqueles que me dão o meu pão e a minha água, a minha lã e o meu linho, o meu óleo e a minha bebida.
Por isso cercarei o seu caminho com espinhos e o fecharei com uma barreira, para que não encontre suas sendas.
Perseguirá seus amantes, sem os alcançar, procurá-los-á, mas não os encontrará.
Dirá então: Quero voltar ao meu primeiro marido, pois era outrora mais feliz do que agora.
Mas ela não reconheceu que era eu quem lhe dava o trigo, o mosto e o óleo, quem lhe multiplicava a prata e o ouro que eles usavam para Baal!
Por isso retomarei o meu trigo a seu tempo e o meu mosto na sua estação, retirarei a minha lã e o meu linho, que deviam cobrir a sua nudez.
Agora descobrirei sua vergonha aos olhos dos seus amantes, e ninguém a livrará de minha mão.
Acabarei com sua alegria, com suas festas, suas luas novas, e seus sábados e com todas suas assembléias solenes.
Devastarei sua vinha e sua figueira, das quais dizia: Este é o pagamento que me deram os meus amantes.
Farei delas um matagal, e os animais selvagens as devorarão.
Eu a castigarei pelos dias dos baais, aos quais queimava incenso.
Enfeitava-se com seu anel e seu calor e corria atrás de seus amantes, mas de mim ela se esquecia!
Oráculo do Senhor.
Por isso, eis que, eu mesmo a seduzirei, conduzi-la-ei ao deserto e falar-lhe-ei ao coração.
Dali lhe restituirei suas vinhas, e o vale de Acor será uma porta de esperança.
Ali ela responderá como nos dias da sua juventude, como no dia em que subiu da terra do Egito.
Acontecerá, naquele dia, - oráculo do Senhor – que me chamarás “Meu marido”, e não mais me chamarás “Meu Baal”.
Afastarei de seus lábios os nomes dos baais, para que não sejam mais lembrados por seus nomes.
Farei em favor deles, naquele dia, um pacto com os animais do campo, com as aves do céu e com os répteis da terra.
Exterminarei da face da terra o arco, a espada e a guerra; fá-los-ei repousar em segurança.
Eu te desposarei a mim para sempre, eu te desposarei a mim na justiça e no direito, no amor e na ternura.
Eu te desposarei a mim na fidelidade e conheceras a Deus.
Naquele dia, eu responderei – oráculo do Senhor – eu responderei ao céu e ele responderá a terra.
A terra responderá ao trigo, ao mosto e ao óleo e eles responderão a Jazrael.
Eu a semearei para mim na terra, amarei a Lo-Ruhamah e direi a Lo-Ammi: “Tu és meu povo”, e ele dirá: “Meu Deus”.

Perspectivas de futuro (2, 1 – 3).
O número dos israelitas será como a areia do mar que não se pode medir nem contar; no mesmo lugar onde se lhes dizia: “Não sois meu povo”, se lhes dirá: “Filhos do Deus vivo”.  Os filhos de Judá e os israelitas se reunirão, constituirão para si um único chefe e se levantarão da terra, porque será grande o dia de Jezrael. Dizei aos vossos irmãos: “Meu povo”, e às vossas irmãs: “Amada”.

No início do texto (1, 2 - 5), nem tudo está perdido, do meio do caos, da infidelidade e da corrupção nasce a esperança (Jezrael), um lindo e iluminado primogênito filho de uma meretriz, nos mostrando que o Espírito de Deus sopra, ilumina e semeia, onde e quando menos se espera. Quanto ao fato de ter que ser com uma prostituta, não havia outra saída, pois “...toda a terra se prostituiu (1, 2)”, ou se afastou da Justiça. E é nesta terra que agora Deus está semeando (significado do nome Jezrael: “Deus semeia”.
Estas palavras: “Não os salvarei nem pelo arco, nem pela espada, nem pela guerra...(1, 7)” e “não sois mais o meu povo, e eu não existo para vós (1, 9)”, São palavras muito duras contra a infidelidade deste povo junto a Deus, estas duas frases estão ligadas aos nomes destes dois últimos filhos de Oséias com Gômer, aqui estão quebras todas as alianças de Deus com Israel, reduzindo-a ao mesmo nível das outras nações que cultuam outros deuses.
O texto 2, 4 - 15, aqui o marido já deixa de ser Oséias e passa a ser o próprio Deus e Gômer está representada pelos infiéis, e tudo que se segue é uma sucessão vergonhosa de acontecimentos que nos mostram o que se obtém dos caminhos tortuosos, da injustiça, da corrupção e da infidelidade. Não é um castigo e sim conseqüências destas atitudes, da tendência que temos ao desumano.
A partir de 2, 16 – 25 vem um verdadeiro resgate de luz, de amor e que nos enche de esperança de dias melhores. Primeiro vem o deserto – local onde as leis e as regras não alcançam – e Deus nos falará ao coração; depois vem um novo Éden, um verdadeiro resgate com a natureza e seus elementos; em seguida a face de Deus nos será desvelada; e junto a tudo isso as tribos se reuniram novamente e constituíram um único chefe, uma única verdade onde não haverá necessidade de bandeiras e nem de demarcações de divisas. Será uma terra de amor e de verdade, de justiça e de compaixão e teremos então a conclusão do Éden, seremos a semelhança de Deus e então o Sétimo dia.
Isto tudo compõe uma verdadeira pedagógica do amor, valorosos ensinamentos que mostram o efeito dos caminhos que não devem ser trilhados, o da injustiça e o da corrupção. É errado imaginar que Deus nos castiga, nós mesmos somos responsáveis pela realidade que nos cerca, como quando uma pedrinha cai sobre a água e gera uma onda que vai em todas as direções, tudo que fazemos aqui reflete no universo todo, para o bem ou para o mal, o problema é que somos tão cegos quanto a pedra que cai, e como pedras não enxergamos as consequencias de nosso atos, sejam eles grandes ou pequenos, sejam eles bons ou maus.
Muitos de nós assistimos filmes com maquinas do tempo, personagens que voltam para o passado e alteram alguma coisa e por menor que seja, está alteração, ela causa um cataclismo no futuro. Pois bem, somos capazes de entender esta simples idéia, então por que passamos vistas grossas à corrupção e todas as suas diferentes formatações, seja ela: política, religiosa, ou social.
Oséias não nos propõe o uso de armas e nem da força. Ex: Que força Hitler ou Stalin teriam sem o povo. Sem apoio eles teriam passado desapercebidos na história, talvez na lembrança de um tataraneto de um deles, eles fossem lembrados como lunáticos. Talvez a fonte desta loucura tenha sido a falsa sensação de poder que eles tinham, e assim novamente a culpa recai também em nós a “Israel infiel”.
Temos que entender nosso compromisso e a sua real dimensão, no final das contas e irremediavelmente, a injustiça que afeta o meu próximo hoje, me ameaça no dia de amanhã. Quantas vezes tivemos que errar, ou deixar nossos filhos errarem para aprender alguma lição de valor em nossas vidas, isso se chama pedagogia e infelizmente é assim que caminha a humanidade. Quantas vezes teremos que errar para aprender?
Oséias quer nos mostrar um verdadeiro salto qualitativo no conhecimento de Deus, este profeta quer nos antecipar um conhecimento renovado de um Deus de amor, muito diferente da imagem que se fazia deste mesmo Deus em sua época. Este profeta nos apresenta a pedagogia divina em conjunto com o livre arbítrio. Ele nos mostra que, não importa quantas vezes sejam necessárias a humanidade trilhar caminhos que não levam a nada, o Espírito Santo sempre nos trará de volta ao seio do Pai.
A própria natureza anseia por este dia, que ainda não chegou mas, certo como o sol nascerá amanhã, esta irrestrita redenção recairá sobre todos nós, passado, presente e futuro. Cabe a nós, sempre coube a nós.


Quadro: Carlos Araujo - "Jesus vem" Bíblia - Citações"

6 comentários:

  1. “o Espírito de Deus sopra, ilumina e semeia, onde e quando menos se espera.”
    Quantas vezes achamos que não temos saída Deus em sua maravilhosa sabedoria e compaixão nos abre uma porta para o caminho do bem, é quando a gente percebe que muitas vezes desviamos do caminho que Deus nos planejou e Ele sempre nos espera de braços abertos. Foi isso que esse texto me fez perceber,
    Obrigada, Du

    ResponderExcluir
  2. Olá minha querida, são duas coisas muitos importantes: corrigir os nossos caminhos e continuar caminhando.
    Um grande beijo,
    Domingos. (Du)

    ResponderExcluir
  3. Olá Professor!
    Confesso que nunca me lembrei muito do Profeta Oseias a não ser pelo fato dele associar o amor de Deus ao Matrimonio, com toda a certeza agora ele entra na minha lista de estudo rs.
    Mas a reflexão nos remete ao inicio de tudo, Deus é Misericórdia! Não importa o que aconteça, e claro está em nossas mãos, talvez ainda não tenhamos a sabedoria necessária para entender o poder que carregamos, mas o Espirito Santo, conforme a nossa docilidade a ele nos conduzirá.
    Obrigada pela reflexão, e por adicionar mais um item na lista de estudos rs!

    ResponderExcluir
  4. Olá Eliana,
    Oséias é um profeta descomplicado, seus exemplos são muito claros e ele põe o dedo nos narizes dos poderosos sem nenhum medo e sem rodeios, ao contrário de Daniel e João (Apocalipse), são literaturas diferentes e temos várias.
    Quanto a sua lista, vai acrescentando ai sim, na realidade é o seu conhecimento que está aumentando (o meu também continua, graças a Deus).
    Um grande e fraterno abraço,
    Domingos.
    P.S. Mande um abraço a todos de Mauá.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Tenho procurado respostas para a interpretação desse texto de Oséias - 2,16-25, sempre que busco a palavra de Deus, abro a bíblia aleatoriamente, e esse texto tem se repetido para mim, sinto que Deus quer me falar...você fala do amor, de esperanças e de dias melhores e da justiça que um dia viveremos...muito interessante a sua colocação.
    Abs.
    Luzineide.
    L

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luzineide.
      Esta passagem pra mim ele sempre me mostrou quão grande é o Amor que Deus nutri por nós e é a partir deste Amor que vem a sua infinita Misericórdia.
      Obrigado por sua contribuição.
      Domingos.

      Excluir